58% não votariam em candidato apoiado pelo ex-presidente, 38% escolheriam nome ligado a Lula e votos de Marina se transferem para Dilma, aponta pesquisa

A exemplo de 2010, o apoio do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso é um ônus para o candidato do PSDB ao Palácio do Planalto. 58% dizem que não votariam no nome apoiado por FHC, contra 12% que escolheriam o político apoiado por ele. O ex-governador de São Paulo José Serra tampouco ajuda: 54% deixariam de votar no candidato ligado a ele, e 15% se inclinariam para o outro lado da balança.
Não é de hoje que as chapas tucanas à Presidência fogem à associação com FHC. Em 2010, o próprio Serra escondeu o ex-presidente ao longo de sua campanha, o que provocou críticas de correligionários. Agora, é a vez do senador mineiro Aécio Neves decidir o que fazer com o legado do governo federal de 1995 a 2002, com a diferença de que desta vez terá a soma negativa do peso do ex-governador paulista.
Do lado do PT, os índices do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não são tão positivos como os registrados há quatro anos, mas ainda representam vantagem ao candidato apoiado por ele. 31% dizem que votariam com certeza no nome ligado ao líder petista, 26% talvez se inclinem neste sentido e 31% não escolheriam o político conectado a Lula.
Outra vantagem para a presidenta Dilma Rousseff, ao menos momentânea, é a trajetória dos votos da ex-senadora Marina Silva. Caso realmente seja a vice na chapa de Eduardo Campos, a ex-ministra do Meio Ambiente beneficia a petista, que herda a maior parte dos votos. 42% dos que declaram apoiar Marina dizem votar em Dilma no novo cenário, contra 21% de Aécio e 15% do governador de Pernambuco e presidente do PSB.
A maior parte dos entrevistados, porém, ainda não sabe que Marina migrou para a sigla de Campos. 52% desconhecem o fato, contra 11% que se dizem mal informados, 23% “mais ou menos” informados e 14% bem informados. 47% não sabem dizer se a ex-senadora agiu mal ao ingressar no PSB, 17% reprovam a decisão e 43% aprovam. Ao mesmo tempo, 38% dizem que o apoio dela ao pernambucano leva o eleitor a não votar nele, ao passo que 11% confirmam a transferência de prestígio.
Quadro geral
Nas simulações divulgadas ontem, Dilma Rousseff venceria as eleições no primeiro turno caso os adversários fossem Aécio e Campos (PSB), com 42% das intenções de voto, contra 21% do mineiro e 15% do pernambucano. Brancos, nulos ou nenhum somam 16%. Outros 7% não sabem em quem votar.
Segundo o Datafolha, nas outras combinações possíveis Dilma seguiria à frente, mas não encerraria a disputa na primeira rodada. O cenário mais complicado, na atual conjuntura, para a presidenta é o que tem Marina Silva pelo PSB e José Serra pelo PSDB. Nesta simulação, que repetiria o quadro de 2010, ela fica com 37%, frente a 28% da ex-ministra do Meio Ambiente e 20% do tucano. As informações são doBrasil Atual.
Anúncios
Esse post foi publicado em Notícias e política. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s