Trabalhadores da saúde rejeitam penduricalhos e mantêm greve

Trabalhadores da saúde rejeitam penduricalhos e mantêm greve

Este slideshow necessita de JavaScript.


Em assembleia realizada nesta quarta-feira (20) no Pátio da ALMG, os trabalhadores da saúde estadual rejeitaram os penduricalhos propostos pelo governo e votaram pela continuidade da greve pelo menos até sexta-feira, quando será realizada nova assembleia geral, também no Pátio da ALMG às 10 horas.

Apesar de atender alguns itens da pauta de reivindicação, a proposta não resolve o problema que levou os trabalhadores a se indignarem: não houve nenhuma proposta de reajuste salarial. Com a pressão do Sind-Saúde e dos trabalhadores e com ajuda da intermediação dos deputados estaduais, a secretária de planejamento e gestão, Renata Vilhena, marcou uma reunião com a comissão de negociação às 9 horas desta quinta-feira (21).

Os servidores e o Sind-Saúde aguardam um posicionamento da secretária sobre a reivindicação de reajuste salarial de 65% para toda a categoria e a redução da jornada de trabalho para 30 horas sem redução salarial.

Penduricalhos
Na reunião realizada com o Sind-Saúde na noite desta terça-feira (19), os representantes das secretarias estaduais de Saúde (SES) e de Planejamento e Gestão (Seplag) não propuseram reajuste real, mas apenas o aumento de uma gratificação complementar que os trabalhadores da Fhemig recebem.  Pela proposta, a gratificação, que hoje é de 20,7% do salário-base, aumentaria em agosto deste ano para 30%, em 2013 para 40% e em 2014 para 50%.

Esta gratificação não é paga para todo o sistema estadual de saúde e não é salário, é apenas um artifício utilizado pelo governo para compensar os péssimos salários praticados. Mas não há qualquer garantia que essa gratificação dure para sempre e nem que será incorporada a quem aposentar.

Para os servidores da Hemominas, o governo propôs a criação de uma gratificação complementar para equiparar o valor final da remuneração com a dos profissionais da Fhemig. Valores ainda não foram apresentados, mas aparentemente a gratificação será pequena.

Segundo o governo, a pauta da Funed ainda está sendo analisada e as respostas serão apresentadas na segunda-feira, dia 25/06.

Direito não se discute
Na reunião, o governo admitiu que estava fora da lei e que a partir de agora vai pagar o adicional noturno e o adicional de insalubridade para todos os trabalhadores do sistema estadual de saúde que fizerem jus a esses direitos constitucionais. Pela proposta, o referencial do adicional de insalubridade também mudará para R$ 660,00.

O adicional de urgência e emergência aumentaria em 50% e estaria garantido para todos que trabalham nos setores de urgência. Porém, muitos profissionais que trabalham em áreas que também lidam com situações emergenciais, como é o caso de quem atua em maternidades, não foram contemplados.

00000assembleia_20_junho_4.jpg

Comissão de negociação do Sind-Saúde se reuniu com o governo nesta terça-feira (19), mas não houve propostas concretas sobre reajuste salarial

00000assembleia_20_junho_1.JPG

00000assembleia_20_junho_6.JPG

Trabalhadores decidiram por unanimidade manter a greve pelo menos até sexta-feira

 

00000assembleia_20_junho_2.JPG

00000assembleia_20_junho_3.JPG

A presidente da CUT-MG, Beatriz Cerqueira esteve na assembleia dando apoio à greve da saúde

00000assembleia_20_junho_5.jpg

Anúncios
Esse post foi publicado em Notícias e política. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s