Anastasia participa da primeira retirada de peixes criados por detentos

Anastasia participa da primeira retirada de peixes criados por detentos

Minas Gerais é o primeiro estado do país a criar peixes em unidade prisional. Produção será distribuída para instituições beneficentes.

Wellington Pedro/Imprensa MG

6 / 6
Serão retiradas do açude da unidade 1,5 mil tilápias, aproximadamente 1,2 mil quilos de peixe

O governador Antonio Anastasia acompanhou, nesta terça-feira (07), juntamente com o ministro da Pesca e Aquicultura, Luiz Sérgio Nóbrega de Oliveira, e o secretário de Defesa Social, Lafayette Andrada, a retirada dos primeiros peixes criados por detentos do Presídio Antônio Dutra Ladeira, em Ribeirão das Neves. Ao todo, estão sendo retiradas do açude da unidade 1,5 mil tilápias, que equivalem a aproximadamente 1,2 mil quilos de peixe.

Minas Gerais é o primeiro estado do país a produzir peixes em unidade prisional. A iniciativa, parceria entre o Governo de Minas e o governo federal, tem o objetivo de facilitar a reintegração social dos detentos, que passam a ter uma qualificação profissional. Os presos recebem remissão da pena em um dia a cada três trabalhados.

Anastasia destacou o caráter de ressocialização do projeto, além da possibilidade de auxiliar entidades carentes, que receberão os peixes coletados no açude. Segundo o governador, a intenção é, a partir da primeira experiência, em Neves, expandir o programa para outras unidades prisionais do Estado.

“Estamos diante de um projeto aparentemente simples, mas com um resultado muito efetivo. Ele ocupa os presos e, ao mesmo tempo, permite a criação de uma profissão que vai crescer no futuro, o criatório de peixes. É um projeto que atende a todos, muito positivo. Nós vamos estendê-lo para outras unidades que tenham possibilidade de ter nos seus terrenos também reservatórios de água e tenho certeza que é um modelo que irá para o Brasil afora”, afirmou o governador.

Os peixes coletados serão doados ao Banco de Alimentos de Ribeirão das Neves, montado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, em 2007. O banco fará a distribuição dos peixes para 22 instituições (entre creches, lares de idosos, Associações de Paes e Amigos de Excepcionais e obras sociais) e sete Centros de Referência de Assistência Social (Cras).

O secretário Lafayette Andrada afirmou que o projeto faz parte da busca do Governo de Minas por humanizar os presídios do Estado, garantindo aos detentos condições de trabalho após cumprirem a pena.

“Minas Gerais vem realizando, de maneira muito consciente, a ressocialização e humanização do sistema prisional por meio do trabalho. Temos parcerias com quase 300 empresas que dão trabalho a cerca de 12 mil detentos. Isso representa 40% da nossa população de presos condenados, índice maior que qualquer outro Estado da federação. As estatísticas nos incentivam a continuar nesse caminho quando mostram que a reinserção no sistema prisional daqueles que trabalham é mínima”, disse Andrada.

Novos tanques

Durante a solenidade, foram entregues pelo Ministério da Pesca, quatro novos tanques redes, que também serão instalados no Presídio Dutra Ladeira, aumentando para dez o número desse equipamento na unidade.

O ministro Luiz Sérgio Nóbrega de Oliveira destacou a posição de Minas Gerais como grande produtor de alimentos e apontou o programa como forma de se perseguir disponibilidade e qualidade alimentar para a população. Ele destacou ainda a importância da parceria entre as diferentes esferas governamentais para o sucesso e a expansão do programa.

“Vejo esse projeto com muita alegria, uma experiência pioneira, que tenho muita esperança possa ser copiada. Nós queremos consolidar em Minas Gerais, nos lagos e reservatórios, porque é um Estado grande produtor de alimentos em nosso país – de leite, carne bovina – e, certamente, será também um grande produtor de peixes. Nós precisamos incentivar e aqui deu resultados porque temos excelente convergência de fatores, com a presença do Governo do Estado, do Governo Federal, da universidade”, explicou o ministro.

Os presos que participam do projeto fizeram um curso de piscicultura, ministrado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Um doutorando da universidade acompanha o trabalho com visitas regulares ao presídio.

A criação de tilápias acontece na Dutra Ladeira, como projeto piloto, desde julho do ano passado, quando os primeiros 1,5 mil alevinos – filhotes de peixes logo após o nascimento – foram colocados no açude da unidade.

Em outubro, outra remessa com a mesma quantidade de peixes foi depositada no local. Por fim, uma terceira remessa de 1,5 mil alevinos foi colocada no tanque na semana passada. Há ainda uma quarta remessa que será colocada no açude em março.

Entre outros, participaram da solenidade o secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Adriano Magalhães, o prefeito de Ribeirão das Neves, Walace Ventura, e o superintendente Federal de Pesca e Aquicultura de Minas Gerais, Wagner Benevides.

Anúncios
Esse post foi publicado em Notícias e política. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s