Governo anuncia corte no ponto de servidor grevista

 
 
O governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES), informou ontem que o registro de ponto dos servidores estaduais de saúde que estão em greve será cortado a partir de hoje. A decisão foi tomada após a categoria não aceitar as propostas apresentadas pelo Estado na reunião de anteontem.

“Em nenhum momento, fechamos as portas para as negociações. Não entendemos essa posição de alguns servidores. Essa greve é ilegítima, tem cunho político e não representa toda a classe”, disse o secretário de Estado de Saúde, Antônio Jorge de Souza Marques.

Ele admitiu também que o governo poderá fazer contratações para substituir grevistas. “Essas medidas (as contratações) vão assegurar a prestação de serviços de saúde, nossa responsabilidade”, disse.

De acordo com o governo, dos cerca de 17 mil servidores do Estado, entre enfermeiros, auxiliares de enfermagem, técnicos, assistentes sociais, fisioterapeutas e psicólogos, 288 aderiram à greve. Já o Sindicato Único dos Trabalhadores da Saúde de Minas Gerais (Sind-Saúde/MG) continua afirmando que o número total de servidores é de 30 mil e que, destes, 20 mil estão em greve. “Estamos tendo, sim, bastante adesão. Pode não ser percebida, pois estamos trabalhando em escala mínima”, afirmou Renato Barros, diretor do Sind-Saúde/MG. A paralisação completa oito dias hoje.

Reivindicações. A proposta rejeitada pelos grevistas, de acordo com Barros, não contemplou pontos importantes. “Queremos discussão de reajuste salarial e a redução de jornada de trabalho sem diminuição no salário”, disse. Segundo ele, uma nova proposta será feita após uma reunião entre o movimento grevista e a Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão, prevista para hoje.

O governo ofereceu aos servidores da saúde aumento gradativo, até 2014, de 50% na gratificação mensal complementar do salário e aumento de 20% e 50% nos adicionais noturno e de emergência, respectivamente. O Estado propôs ainda um aumento na base de cálculo para o adicional de insalubridade, passando de R$ 200 para R$ 660.

Segundo a SES, os aumentos vão custar R$ 100 milhões aos cofres ao ano. “O anúncio representa ganhos reais para o trabalhador, que vão impactar na carreira e na aposentadoria”, avaliou o secretário. 

 
Transporte
Metroviários decidem terminar paralisação
 
Após 38 dias em greve, os metroviários da capital resolveram ontem encerrar o movimento. A decisão foi tomada após o Tribunal Superior do Trabalho divulgar, também ontem, a data para o julgamento do dissídio coletivo da categoria – a próxima terça-feira. A promessa é de funcionamento normal hoje.

“Agora temos a garantia de que teremos parte de nossas reivindicações atendida”, afirmou o diretor geral do Sindicato dos Empregados em Empresas de Transportes Metroviários e Conexos de Minas Gerais, Romeu Neto.

Os metroviários reivindicam reajuste de 5,74%, acesso a plano de saúde integral, participação nos lucros e resultados e adicional noturno de 50%. A Companhia Brasileira de Trens Urbanos informou apenas que aguarda a decisão do dissídio.

De 14 de maio até ontem, o metrô funcionou em escala mínima, apenas das 5h20 às 8h30 e das 17h às 19h30, de segunda a sexta-feira, e das 5h30 às 9h, aos sábados. As estações fecharam aos domingos. (Jhonny Cazzeta)

About these ads
Esse post foi publicado em Notícias e política. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s